Semed debate sobre saúde nas escolas

 Semed debate sobre saúde nas escolas

Entre os dias 24 e 28 de abril, a Prefeitura de Parauapebas vai promover a Semana da Saúde na Escola. Um tema que ganha força a cada ano em todo o Brasil por levar à comunidade estudantil algo que vai bem além de mais uma disciplina, que é o cuidado com a saúde. Tanto que o Ministério da Saúde criou o Programa de Saúde e Educação (PSE).
E para o alcance dos objetivos e sucesso desse programa, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) se reuniu esta semana com educadores da rede de ensino municipal para discutir sobre a ação, que é de fundamental importância para compreender a educação integral como um conceito que envolve proteção, prevenção, a atenção à saúde e o pleno desenvolvimento da comunidade escolar.
Na esfera da saúde, as práticas das equipes de Saúde da Família incluem prevenção, promoção, recuperação e manutenção da saúde dos indivíduos e coletivos humanos.
O público beneficiário do PSE são os estudantes da educação básica, gestores e profissionais de educação e da saúde, comunidade escolar e, de forma mais ampliada, estudantes da rede federal de Educação Profissional e Tecnológica e da Educação de Jovens e Adultos (EJA).
“O Programa Saúde na Escola visa à integração e articulação permanente da educação e da saúde, proporcionando melhoria da qualidade de vida da população brasileira. Como consolidar essa atitude dentro das escolas? Essa é a questão que nos guiou para elaboração da metodologia das Agendas de Educação e Saúde, a serem executadas como projetos didáticos nas escolas”, dizo secretário municipal de Saúde, Francisco Cordeiro.
A coordenadora do programa, Ana Lúcia de Sousa e Silva, explica que o PSE objetiva contribuir para a formação integral dos estudantes por meio de ações de promoção, prevenção e atenção à saúde, com vistas ao enfrentamento das vulnerabilidades que comprometem o pleno desenvolvimento de crianças e jovens da rede pública de ensino.
“As atividades de educação e saúde do PSE ocorrerão nos territórios definidos segundo a área de abrangência da Estratégia Saúde da Família, do Ministério da Saúde, tornando possível o exercício de criação de núcleos e ligações entre os equipamentos públicos da saúde e da educação – escolas, centros de saúde, áreas de lazer, como praças e ginásios esportivosetc”, diz Ana Lúcia.
No PSE, a criação dos territórios locais é elaborada com base nas estratégias firmadas entre a escola, a partir de seu projeto político-pedagógico, e a unidade básica de saúde. O planejamento destas ações do PSE considera o contexto escolar e social, o diagnóstico local e a capacidade operativa em saúde do escolar.
A escola é a área institucional privilegiada deste encontro da educação e da saúde, um espaço para a convivência social e para o estabelecimento de relações favoráveis à promoção da saúde pelo viés de uma educação integral.
Dentro das escolas, pontua Francisco Cordeiro, podem ser feitas avaliação das condições de saúde das crianças, adolescentes e jovens que estão na escola pública;promoção da saúde e de atividades de prevenção; educação permanente e capacitação dos profissionais da educação e da saúde e de jovens; monitoramento e avaliação da saúde dos estudantes; monitoramento e avaliação do programa.
Osecretário de saúde é convicto de que essa parceria com a educação “é a certeza para a população que espera por boas ações em prol dos adolescentes e estudantes do nosso município”.
Texto: Cléo Lopes – Ascom/PMP

Deo Martins

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.