No Pará, Polícia Civil combate esquema de desvios de recursos públicos

 No Pará, Polícia Civil combate esquema de desvios de recursos públicos

A Polícia Civil deflagrou, nesta quinta-feira, 27, a operação “Dilúvio” para combater a corrupção no município de Mãe do Rio, no nordeste paraense. Ao todo, foram cumpridos 36 mandados judiciais – 21 de busca e apreensão, oito de condução coercitiva e sete de prisão preventiva de acusados de envolvimento em esquema de desvios de recursos públicos.
A ação foi realizada por policiais civis da Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO) com apoio das Diretorias de Polícias Metropolitana (DPM) e de Polícia do Interior (DPI), do Núcleo de Inteligência Policial (NIP) e do Grupo de Pronto-Emprego (GPE), sob coordenação do delegado Evandro Araújo, diretor da DRCO.
As investigações apuraram que houve um desvio de mais de R$ 2,5 milhões pelos investigados, mas esses valores podem quadruplicar ao final das investigações. De acordo com o delegado Carlos Eduardo Vieira, titular da Delegacia de Repressão a Defraudações Públicas (DRDP), da DRCO, responsável pelas investigações, os desvios foram detectados durante a administração do ex-prefeito José Ivaldo Martins Guimarães, cujo mandado encerrou em dezembro de 2016.
“Foram alvos de investigação diversos contratos de empresas dos mais variados ramos com o município. Desde fornecimento de serviço funerário, marmitas e transporte escolar, hospedagem e asfaltamento, além de outras irregularidades constatadas nas investigações”, detalha. O delegado também informa que foi constatado o desaparecimento de documentos referentes aos contratos da Prefeitura.
Além dessas irregularidades, as investigações mostraram a falta de prestação de contas aos órgãos de controle, fato que também configura crime apurado no inquérito policial. Durante a operação, em Mãe do Rio, iniciada nas primeiras horas do dia, muitos documentos, que haviam sido subtraídos, foram encontrados.
Cinco dos sete acusados que tiveram mandados de prisão foram presos: o ex-secretário municipal de Finanças, João José Canuto de Moraes; a ex-secretária de Educação, Lana Regina Cordeiro de Oliveira; a ex-secretária de Assistência Social, Antônia Edilaura Tavares Lopes; o empresário Everaldo Manoel Rodrigues dos Reis, conhecido na região como Zé do Caixão, e o empresário João Paulo de Freitas Oliveira. Outros dois permanecem foragidos: o ex-prefeito José Ivaldo Martins Guimarães, conhecido por Badel, e o ex-secretário de Saúde, Francisco Gonzaga Queiroga Sobrinho.
As ordens judiciais resultaram de solicitação conjunta realizada pela Promotoria de Justiça de Mãe do Rio, por meio da promotora Andressa Ávila, e do delegado Carlos Eduardo Vieira, titular da DRDP/DRCO. Os mandados judiciais foram expedidos pelo juiz de Direito, Cristiano Magalhães Gomes, da Comarca de Mãe do Rio.
Ao final dos procedimentos lavrados na sede da Delegacia de Mãe do Rio, os presos foram transferidos para unidades do Sistema Penitenciário do Pará. Segundo o delegado, os dois foragidos continuarão a ser procurados em todo Estado e no país, por meio do Núcleo de Inteligência Policial e do Serviço de Polícia Interestadual de Buscas e Capturas (Polinter), da Polícia Civil do Pará. Os documentos e demais objetos apreendidos passarão por análises para subsidiar outras medidas judiciais a serem requeridas durante as investigações.
Reportagem: Walrimar Santos

Deo Martins

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.