Cinco unidades escolares de Curionópolis passam por reformas

 Cinco unidades escolares de Curionópolis passam por reformas

Em nova fase do programa “Obras por toda a Cidade”, a Prefeitura de Curionópolis iniciou a reforma de cinco unidades escolares com o intuito de ofertar mais conforto e bem-estar aos alunos e servidores públicos.

Na zona rural estão sendo revitalizadas as escolas Ebenezer (Vila Curral Preto), Castelo Branco (Vila Rica) e Bom Jesus lll (Vila Alto Bonito). Na zona urbana, passam por melhorias as unidades São Sebastião e Cantinho do Saber, além da sede administrativa da Secretaria Municipal de Educação (Semed).

Esse trabalho é parte do compromisso dessa gestão com a educação de Curionópolis. Entendemos como fundamental, para a construção do aprendizado, promovermos um ambiente saudável e agradável para que nossos servidores tenham condições de desenvolver as atividades junto aos alunos, e para que as famílias estejam tranquilas durante o tempo que seus filhos passam conosco”, afirma a secretária Gerlane Pereira.

As estruturas foram recebidas em péssimo estado de conservação no início deste ano, quando a prefeita Mariana Chamon tomou posse do cargo. Em junho, a gestora lançou o pacote de obras que contempla as zonas urbana e rural, incluindo Serra Pelada.

Paralelamente às reformas nas unidades escolares, estão ocorrendo obras de desenvolvimento como a pavimentação de 10 km de vias na cidade, a concretagem de ruas em Serra Pelada, a recuperação de 150 km de estradas vicinais e a construção de seis pontes de concreto. “Nosso trabalho é executado com seriedade e com comprometimento com nossa população. Estamos recuperando a dignidade do nosso povo e executando obras que já fazem a diferença na reconstrução de Curionópolis”, afirma a prefeita.

Antes do pacote de obras, no primeiro semestre, a administração de Curionópolis priorizou o restabelecimento de serviços que estavam paralisados, como atendimentos em saúde, voltando a ofertar consultas, cirurgias e cobertura vacinal, e a matrícula de mais de 2 mil alunos que estavam longe dos bancos escolares.

Deo Martins