Foto: reproduçāo facebook

Uma cena inusitada surpreendeu quem passeava pela Praia do Caripi em Barcarena, nordeste paraense, na manhã desta quinta-feira (26). Um jovem de sunga, ainda não identificado, andava com a carcaça do que parecia um cachorro nas mãos, dizendo que matou, assou e consumiu o animal por não ter mais nada para comer. O caso foi compartilhado por uma moradora do município nas redes sociais e viralizou.

O registro da cana foi feito por uma moradora de Barcarena que, em visita à praia, testemunhou a cena e ficou estarrecida. Segundo a jovem, quando questionado sobre o porque ele teria matado o cão e comido, ele teria dito: “peço comida e ninguém me dá“.

O dono de uma pousada que fica na orla da praia, às margens da Baía do Capim, disse que o jovem e outros envolvidos estavam desde a madrugada fazendo uma fogueira e assando carcaças de animais, mas ele não sabe se, de fato, o cadáver era de um cão. “Sim, a fogueira tava aqui na frente da minha pousada. Não sei quem eram, mas um deles tava só de cueca. Eles amanheceram nessa bagunça aqui na frente, não pareciam estar normais“, disse o empresário.

Outras pessoas disseram ter visto ele ontem à noite, com o cão morto na mão, antes de assar o animal. A equipe de reportagem entrou em contato com a Polícia Militar que atua em Vila dos Cabanos, que informou que não soube do episódio. A Polícia Civil não atendeu às ligações.

Matar animais, silvestres ou domésticos, é crime no Brasil, segundo o artigo 32 da Lei dos Crimes Ambientais, de 1998. A lei prevê detenção de três meses a um ano, além de multa, para quem “praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar” qualquer tipo de animal. Se houver a morte do animal, a pena aumenta até um terço.

Reportagem: ORM

Comentários do Facebook