O caso está sendo investigado pela Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam). (Foto: Jéssika Ribeiro)

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam). (Foto: Jéssika Ribeiro)

Uma criança de apenas cinco anos morreu na última segunda-feira (9) no Hospital Regional Público do Sudeste do Pará Dr. Geraldo Veloso, no município de Marabá, no sudeste paraense, após ser transferida em estado grave e com manchas roxas na perna.
Familiares da menina desconfiavam que ela estava com Chikingunya, mas o laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou que a causa da morte da criança foi por Septcemia, em consequência de uma infecção pulmonar, cardíaca e intestinal, provocada por abuso sexual.
O caso está sendo investigado pela Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam). O resultado da investigação está previsto para encerrar em 30 dias.
De acordo com a delegada Ana Paula Fernandes, responsável pelo caso, a denúncia chegou depois que o Conselho Tutelar foi acionado pelo hospital após suspeita dos médicos.
Informações que circulam entre os populares apontam o irmão da vítima como o principal suspeito do ato libidinoso, mas a família não acredita nessa hipótese.

Irmão da vítima é apontado como principal suspeito do abuso. (Foto: Jéssika Ribeiro)

Irmão da vítima é apontado como principal suspeito do abuso. (Foto: Jéssika Ribeiro)

Francisca da Silva Pinto, de 22 anos, uma das irmãs da vítima, revelou que o suspeito ajudava a cuidar das irmãs e que se a menina tivesse sofrido algum abuso já teria comunicado à família.
“Ela sempre foi uma criança que tudo contaria para minha mãe e jamais o meu irmão ia fazer uma coisa dessas. Ela morreu realmente da doença”, garante Francisca.
No velório da menina, na manhã desta terça-feira (10), o irmão Edinho Vieira da Silva, de 33 anos, apontado como principal suspeito, afirmou em entrevista à RBATV que a irmã estava com Chikingunya, doença que está alastrada pelo bairro São Félix.
Com informações de Jéssika Ribeiro/Marabá