Vem aí o Tesla Phone? Elon Musk cogita lançar celular caso sofra embargo

 Vem aí o Tesla Phone? Elon Musk cogita lançar celular caso sofra embargo

Depois de explorar negócios no espaço e na web, o próximo passo de Elon Musk pode ser no ramo de celulares. O burburinho em torno do suposto Tesla Phone ressurgiu na internet após o milionário responder a um tuíte da jornalista Liz Wheeler, que vislumbrou a possibilidade de uma empreitada neste sentido caso as gigantes Apple e Google decidissem barrar o app do Twitter em suas lojas virtuais. Na réplica, o dono da SpaceX consentiu que, caso o aplicativo enfrentasse embargo das gigantes, o lançamento de um smartphone próprio poderia, sim, ser uma solução.

A suposta criação de um telefone próprio surge do imbróglio que o Twitter, recentemente comprado por Musk, poderia enfrentar com os donos do Android e do iOS. Assim que assumiu o trono do app do passarinho azul, surgiram várias notícias sobre rearranjos internos polêmicos – que incluem desde demissões em massa até a perda de anunciantes com prejuízo estimado em US$ 750 milhões (equivalente a R$ 4 bilhões).

Além das questões indicadas, o bilionário tem suscitado debates com suas declarações que reafirmam seu desejo de “garantir maior liberdade de expressão” na rede, segundo suas próprias palavras. Neste sentido, vale lembrar que após sua chegada a gestão, contas antes bloqueadas, como a do ex-presidente norte-americano Donald Trump, foram liberadas para uso novamente.

Se o plano se materializar, este será mais um segmento de Musk, que já conta com a Tesla Motors, empresa de automóveis, com a SpaceX, de sistemas aeroespaciais, e a Starlink, de internet via satélite

Elon Musk gera clima tenso com funcionários da empresa — Foto: Divulgação/Getty Images

O Tesla Phone por ora fica apenas no campo das possibilidades. Mas já é avaliado, como mostrou Elon, ao responder Liz Wheeler, como “se não houver outra escolha, farei um telefone alternativo”. A publicação inicial sugeria que “metade do país ficaria feliz em abandonar o iPhone e o Android”.

Techtudo com informações de GizmoChina e The National News

Deo Martins