Fique por dentro: Parauapebas possui o Serviço de Inspeção Municipal

 Fique por dentro: Parauapebas possui o Serviço de Inspeção Municipal

Sabe aquele queijo, iogurte ou aquele copo de leite que consumimos no café da manhã, além do mel e todo e qualquer tipo de alimento de origem animal? Você sabia que para esses alimentos chegarem até a nossa mesa é preciso um rigoroso processo de inspeção? Somente assim poderão ser colocados à venda em Parauapebas. É por meio do Serviço de Inspeção Municipal (SIM) que os consumidores podem ter a garantia de levarem para casa produtos de qualidade.

O SIM é executado por meio da auditoria dos veterinários credenciados na Secretaria Municipal de Produção Rural (Sempror) que atuam desde o processo inicial da produção rural, até o envasamento ou empacotamento dos alimentos, mas não é somente isso, ao serem colocados no comércio, os estabelecimentos precisam manter o padrão, já que para estarem disponíveis nas prateleiras, a Vigilância Sanitária fica de olho e entra em cena para fiscalizar os estabelecimentos, por isso, tanto o local da venda, quanto os alimentos disponíveis neste local, estejam em conformidade com as normas sanitárias.

O Serviço de Inspeção Municipal é um órgão que tem a competência de fiscalizar. Foi sancionado por meio do Decreto Municipal de nº 136 de 27 de março de 2008, dispondo a regulamentação da Lei de nº4.274, de 29 de abril de 2004. A função da equipe do SIM está atribuída em regulamentar, orientar, classificar os produtos industrializados, conforme condições higiênicas garantindo a qualidade dos respectivos produtos”, detalhou o veterinário da Sempror, Hendrick Rocha.

Entra na lista de alimentos a serem fiscalizados pelo SIM, todos os produtos de origem animal como o mel, ovos, carnes (aves, peixes, suína, bovina, carnes processadas, desossadas, ou dessecadas, embutidos desde salsichas, salames, presuntos entre outros), leite e seus derivados, como o queijos, manteiga, iogurte e etc., além dos frigoríficos e abatedouros.

Importante saber que o SIM atua na inspeção periódica, onde os agentes fiscalizam as indústrias, e também na inspeção permanente, que é direcionada aos frigoríficos e abatedouros. Existem três órgãos fiscalizadores no Brasil, o Serviço de Inspeção Municipal (SIM) no qual compete as cidades essa autonomia e consequentemente aos produtores lhes serão entregues a permissão de vender seus produtos, mas apenas a nível municipal, já o Serviço de Inspeção Estadual (SIE/PA),é para quem deseja ampliar a comercialização para outros municípios, porem, apenas dentro do estado e por fim o Serviço de Inspeção Federal (SIF) que é a certificação autorizada destinada aos produtores que desejam vender para outros estados ou exportar seus alimentos.

Segundo dados da Sempror, existem 18 empresas autorizadas a comercializarem produtos de origem animal em Parauapebas. Nos últimos seis meses, a prefeitura garantiu que cerca de 70 mil quilos de carnes e derivados e mais de 970 mil litros de leite fossem inspecionados e liberados ao comércio.

O Serviço de Inspeção vem com essa preocupação, desde o campo até a mesa do consumidor. Aqueles que queiram investir na comercialização legalizada de carne por exemplo, procure abater os animais em locais autorizados, porque assim, o produto passará por rigoroso controle de qualidade e ainda receberá a documentação necessária em caso de uma auditoria. Existem contaminações que colocam em risco a saúde e algumas doenças podem inclusive levar a óbito o indivíduo que ingerir produtos de origem animal contaminados e sem procedência ”, apontou a médica veterinária, Elke Melo.

Nosso trabalho é oferecer apoio e orientação. A Sempror está de portas abertas para esclarecer e contribuir com os produtores que desejarem colocar seus alimentos disponíveis no mercado. Temos quatro médicos veterinários e mais 12 agentes de campo. Quem for flagrado vendendo alimento sem procedência será multado e entram nas punições, os critérios como identificação de alterações do produto, fraudes e falsificações. As multas variam de 10 a 100 Ufms, que é algo em torno de R$13 a R$14 reais por quilo apreendido, podendo ser acrescidos de 100% a 200% do valor ”, finalizou o coordenador do SIM/Parauapebas, Fábio Sobral

Saiba quais empresas estão credenciadas pelo SIM, por meio do telefone disponível da Sempror no (94) 3346-8220.

Texto : Cleidi Rodrigues / Ascom – PMP – Fotos : Renato Resende/ Ascom – PMP

Deo Martins