‘Duas Rodas’: condutores acusados de atropelar ciclista em Castanhal são presos pela Polícia Civil

 ‘Duas Rodas’: condutores acusados de atropelar ciclista em Castanhal são presos pela Polícia Civil

Na manhã desta quinta-feira (13) a Polícia Civil, por meio da Divisão de Homicídios (DH), deflagrou a operação “Duas Rodas” e prendeu em Castanhal, nordeste paraense, os dois condutores que tiveram ligação direta com o atropelamento da ciclista Cláudia Loureiro, ocorrido em 17 de abril, na BR-316. Ambos foram presos em suas respectivas residências, no centro da cidade, por volta de 6h, e foram conduzidos para a sede da DH, na capital. Além das prisões, os agentes da PC cumpriram três mandados de busca e apreensão. Foram apreendidos documentos e celulares.

De acordo com as investigações, os dois homens participavam de um “racha” na rodovia federal. A ação ocorreu após ambos terem consumido bebida alcoólica em um posto de combustíveis, às margens da BR. Câmeras de monitoramento serviram como parte do inquérito investigativo instaurado pela Polícia Civil. A perícia do Instituto Médico Legal comprovou que, no momento do acidente, o veículo de luxo, que atingiu a ciclista, trafegava a cerca de 140 km por hora – na via, o máximo permitido é 80km. O corpo da vítima foi arremessado à 40 metros do local da batida fatal.

Aqui na Divisão de Homicídio nos intimamos e ouvimos testemunhas, analisamos circuitos de vídeo monitoramento, bem como levantamos outras informações que pudessem fazer com que a gente identificasse os investigados. A partir das informações que nós conseguimos coletar, da dinâmica antes do crime, no momento do crime e depois do crime, e diante disso, representar pela prisão temporária dos mesmos, além de solicitar busca e apreensão”, informou o delegado Fernando Rocha, que participou diretamente das investigações.

ACIDENTE

A ciclista Cláudia Loureiro, de 37 anos, estava praticando ciclismo junto de amigos, por volta de 3 horas da manhã, quando foi atingida. Os condutores responsáveis pelo fato não prestaram socorro, e de acordo com as investigações, um dos acusados retornou ao local se passando por transeunte. Na oportunidade, o mesmo perguntou aos colegas de Cláudia o que havia acontecido e pediu para não chamar a polícia.

Nós conseguimos identificar que o depoimento dos suspeitos foi totalmente contraditório. Com as imagens, nós percebemos que se tratava de um ‘racha’. É mais uma resposta da Polícia Civil de modo eficaz, eficiente e de modo célere. Essa foi uma ação conjunta da Divisão de Homicídios (DH), da Diretoria de Polícia do Interior (DPI), do Instituto Médico legal (CPC), bem como o Poder Judiciário e o Ministério Público de Castanhal”, disse o titular da Divisão de Homicídios, delegado Cláudio Galeno.

Ainda em abril, a Polícia Civil de Castanhal apreendeu o veículo que causou a morte. O carro esportivo passou por perícia e continua apreendido. Os acusados foram interrogados e ficaram à disposição da justiça paraense.

Ascom – PCPA

Deo Martins