Com mais de 200 cirurgias realizadas em 2019 de fissura labial e fenda palatina, popularmente conhecidas como “Lábio Leporino“, o Hospital Regional do Sudeste do Pará – Dr. Geraldo Veloso (HRSP), gerenciada pela Pró-Saúde em Marabá (PA), tornou-se referência estadual nestas cirurgias reparadoras.
Realizadas na unidade de saúde que pertence ao Governo do Estado do Pará e presta atendimento 100% gratuito, os procedimentos cirúrgicos, que já beneficiaram dezenas de pacientes que encontraram um novo motivo para sorrir, contam com a parceria dos profissionais do Instituto Sorriso Legal, Organização Não Governamental (ONG) de Marabá.
Para Ana Paula Guedes, presidente do Instituto, a parceria firmada com o HRSP para a realização das cirurgias reparadoras, vem trazendo melhoria da qualidade de vida para inúmeras pessoas. “Em 2020, já realizamos 15 procedimentos cirúrgicos em parceria com a equipe do HRSP, estamos muito felizes com essa parceria que só tende crescer cada vez mais. Queremos oportunizar que mais pessoas possam ter suas vidas transformadas” explicou.
Segundo o médico Cassiano Barbosa, diretor Técnico do HRSP, as cirurgias de fissura labial geralmente são realizadas a partir dos três meses de vida do bebê, se o quadro clínico for favorável (boa saúde geral, dentro do peso ideal e sem anemia). Já a cirurgia para corrigir a fenda palatina pode ser feita quando a criança tiver aproximadamente 18 meses. “Esse procedimento é rápido e dura menos de duas horas, é feito sob anestesia geral, pois é muito delicado, sendo necessário que o paciente fique imóvel“, explicou.
Parceria
Para ampliar o atendimento de cirurgias de fissura labial e fenda palatina, o HRSP, a Coordenadoria Estadual de Saúde Bucal da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) e o Instituto Sorriso legal, estão dialogando uma parceria com a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Marabá, para que o público atendido pela instituição também possa ser contemplado com as cirurgias reparadoras.
Segundo Alessandra Amaral, Coordenadora Estadual de Saúde Bucal, atender a nível hospitalar esses pacientes especiais será um importante passo para uma inclusão social que irá mudar suas realidades. “Estivemos reunidos com a direção técnica do HRSP, que nos acenou positivamente para essa demanda da APAE. Tenho certeza que, em breve, iremos ampliar ainda mais essas cirurgias reparadoras, realizadas no Regional de Marabá, que já se tornou referência estadual nesse tipo de procedimento“, afirmou.
De acordo com Valdemir Girato, diretor Hospitalar do HRSP, há vários anos a unidade já realiza esse tipo de procedimento em parceria com o Instituto Sorriso Legal. Agora, atender a demanda de uma entidade idônea como APAE, irá fortalecer a iniciativa que já trouxe muita alegria a inúmeros pacientes.
Vamos fazer de tudo para que esse projeto seja ampliado, e possa atender ainda mais pessoas que necessitem desse tipo de cirurgia. O HRSP hoje, possui uma expertise excepcional nesse tipo de procedimento“, ressaltou.
O que é fissura labial e palatina
Fissura labial é a separação do lábio superior em duas partes, algo que atinge um em cada 550 bebês no Brasil, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Tal como a fissura palatina, a fissura labial é causada pela junção inadequada dos dois lados da face quando o bebê ainda está no útero.
Embora ninguém saiba ao certo o motivo desta deficiência, ela tende a ser hereditária. Os desequilíbrios hormonais, as deficiências nutricionais e certas drogas utilizadas durante a gestação, podem ser apontadas como possíveis causas.
A fissura palatina ocorre quando há uma abertura direta entre o palato, ou céu da boca, e a base do nariz. Durante a gestação, o maxilar superior do bebê não se fecha como deveria, deixando uma falha. A fissura palatina é um problema mais grave que a fissura labial, embora ambos necessitem de cirurgia corretiva.
Dificuldades de alimentação, de respiração e de fala, além de problemas psicológicos, são algumas das dificuldades enfrentadas por uma criança com fissura labial ou palatina. Por isso, quanto antes a correção for realizada, melhor será a qualidade de vida e saúde do paciente.
Sobre a Unidade
Referência em atendimento de média e alta complexidades para 22 municípios paraenses, o Hospital Regional do Sudeste do Pará Dr. Geraldo Veloso (HRSP) tem 115 leitos, sendo 77 de Unidades de Internação e 38 de Unidades de Terapia Intensiva. Possui perfil cirúrgico e habilitação em Traumato-ortopedia pelo Ministério da Saúde, oferecendo atendimento gratuito nas especialidades de Cardiologia, Cirurgia Buco-maxilo-facial, Cirurgia Plástica Reparadora, Cirurgia Pediátrica, Cirurgia Geral, Cirurgia Vascular, Clínica Médica, Fisioterapia, Infectologia, Medicina Intensiva adulto, pediátrica e neonatal, Nutrição, Obstetrícia de Alto Risco, Oftalmologia, Otorrinolaringologia, Urologia, Neurocirurgia, Terapia Ocupacional, Traumato-ortopedia, Nefrologia, Anestesiologia e Centro de Hemodiálise com 22 máquinas.
Sobre a Pró-Saúde
A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 24 cidades de 12 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.
A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.
Ederson Pereira de Oliveira ascom – Hrsp Pro Saude