Foto: Divulgação

Quatro acusados de integrarem uma quadrilha especializada em assaltos a carros-fortes na região sudeste do Pará foram condenados pela justiça pelos crimes de organização criminosa, porte ilegal de arma de fogo de uso restrito e receptação.
Alexsandro Leal Coelho vai cumprir 10 anos e três meses de prisão, além de pagar 231 dias-multa e também as custas do processo. Conforme a sentença, a pena deve ser cumprida em regime fechado, porém levando em conta o período de um ano e nove meses que já foi cumprido em prisão provisória. Assim, “resta a ele cumprir oito anos, quatro meses e 23 dias de recluso”.
Outro integrante do bando, Josiel Oliveira Costa, foi condenado a nove anos e três meses de prisão em regime fechado e sem substituição de pena, além do pagamento de 153 dias-multa.
Já as maiores penas foram decretadas para Leonardo Teixeira Meireles, que foi condenado a 27 anos e quatro meses de prisão e ao pagamento de 148 dias-multa; e para Fabio Junior Ferreira Lima, que deve cumprir 26 anos e sete meses de prisão, além do pagamento de 856 dias-multa.
A decisão foi expedida no dia 14 de novembro deste ano pelo juiz Marcelo Andrei Simão Santos, titular da 2ª Vara Criminal da Comarca de Marabá, que também determinou o ressarcimento de prejuízos causados durante a tentativa de fuga dos acusados.
Sendo efeito automático da condenação o dever de reparar o dano causado pelo delito, torno certa a obrigação dos réus Leonardo e Fábio reparar o valor de R$ 2.000,00, que corresponde aos prejuízos suportados pela vítima (…)”, referente a danos ocorridos no automóvel e nas portas do quarto e banheiro, bem como no portão da frente da residência da pessoa em questão.
Relembre o caso
A Polícia Civil monitorava uma casa localizada na Rua Cuiabá, Bairro Belo Horizonte, a qual foi alvo de denúncia de ser uma base de criminosos especializados em assalto a carros-fortes.
No dia 19 de janeiro de 2018 os policiais foram ao local para desarticular a quadrilha, que, segundo o relatório de sentença, atiraram ao perceber a presença da polícia. Na troca de tiros um dos assaltantes, Saulo Frederico Alves Freire, o “Ninho”, foi baleado e morreu no telhado de uma residência.
Ainda de acordo com o relatório de sentença, Leonardo Teixeira Meireles teve a prisão agravada pela prática do crime de roubo circunstanciado, pois na fuga, juntamente com Fabio e outro comparsa, identificado apenas como Adriano, invadiram a casa de uma mulher e arrombaram a porta do quarto onde ela estava escondida com a filha. As duas foram obrigadas a entrarem no carro da família e foram levadas reféns pelos criminosos, que depois as abandonaram próximo ao Balneário Taboquinha.
De acordo com informações da Polícia Civil, o primeiro a ser preso, ainda durante a operação, foi Alexsandro Leal Coelho, de 30 anos, conhecido como “Gordo”, que confessou aos policiais que o bando pretendia fazer uma nova ação na região e que ele foi o responsável pela locação dos imóveis usados pela quadrilha. No mesmo depoimento Alexsandro também confessou ter dado apoio no ataque ao carro-forte no dia 30 de novembro de 2017, na BR-155, entre Marabá e Eldorado do Carajás.
Na casa que servia de base para o bando foi apreendido um fuzil calibre ponto 50, além de 40 explosivos e munições de calibres ponto50 e 7,62. Outro que também foi preso durante a ação da Polícia Civil, Josiel Oliveira Costa, que tentou fugir pulando um muro e se escondendo na caixa d’agua de uma das residências vizinhas, seria, segundo as investigações, o responsável por contratar criminosos nesta região para se juntar ao restante do bando, formado em grande parte por assaltantes do Nordeste.
Fabiane Barbosa – Correio de Carajás