Em texto na web, jovem detalhou massacre: “Pronto para me vingar”. | PCDF/Divulgação

Henrique Almeida Soares, de 19 anos, foi preso em flagrante após anunciar que seria o protagonista de uma tragédia com “adolescentes vagabundos descolados e drogados“, no Distrito Federal. As informações são do portal Metrópoles.
O jovem foi preso após postar mensagens na internet, onde contava o plano de “fazer um massacre histórico num showzinho de rap/funk/trap“. Nele, Henrique dizia que is fazer algo esplêndido por seus “conhecimentos em química e acesso a armas ilegais“.
Segundo Henrique, o plano era liberar gás venenoso ou paralisante na multidão e depois detonar um carro-bomba com explosivos destrutivos. Já os sobreviventes ele disse que iria matá-los “na bala“.
Anônimo adoro ver o choro de vocês, não é sonho, é real estou pronto para me vingar e espero que você seja uma vítima mesmo sem nos conhecermos kkkkkkkkkkkkkk“, escreveu ele em uma das mensagens que foram publicadas no site Yahoo, de perguntas e respostas, em fevereiro.
Segundo o delegado Dário Taciano de Freitas Júnior, “a partir do recebimento dessas informações, a Delegacia de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC) deu toda atenção que o presente caso exigia”.
Preso em flagrante
Henrique foi preso em flagrante pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). Na residência do jovem foram encontradas bombas e livros com incitação ao ódio, além de máscaras e dinheiro em espécie e cinco quilos de nitrato de amônia e um quilo de nitrato de potássio, que deveriam ser usados na produção de artefatos.
O jovem passou por audiência de custódia e ficará preso preventivamente.
Segundo vizinhos, o jovem morava na casa do avô, que é professor de arquitetura na Universidade de Brasília (UnB).
Uma vizinha, que não teve a identidade divulgada, disse que “a família do rapaz vivia isolada”. Uma outra, que também preferiu não se identificar, disse que está assustada, pois nunca se sabe “quem é o vizinho do lado“.
A motivação do ataque ainda é um mistério. Mas, segundo o chefe da DRCC, Giancarlos Zuliani Júnior, “o material era suficiente para derrubar uma casa” e que o jovem “tinha muito poder de fogo“.
Fonte: DOL – com informações de Metrópole