O ex-membro da Guarda Municipal de Marabá, Alexsandro Caldas Pó foi condenado na noite de ontem a uma pena de 17 anos de reclusão, pelo homicídio de Naiara Ribeiro Viera, crime ocorrido em 13 de outubro de 2017, próximo ao Terminal Rodoviário do Km 6, na Nova Marabá. Foi o primeiro julgamento do Tribunal do Júri após o início da pandemia de covid-19 de Marabá. A pena de Caldas deverá ser cumprida, inicialmente, em regime fechado.
Foram mais de 12 horas de julgamento e o placar, ao final, foi de quatro votos a três, no conselho de sentença, pela condenação. “A defesa respeita a decisão soberana dos jurados, que por um placar apertado entendeu por responsabilizar o acusado, e já recorremos da decisão do conselho de sentença para que o Tribunal de Justiça aprecie as razões da Defensoria Pública”, declarou ao final o defensor público Allysson Castro.
ENTENDA
Alexsandro Caldas Pó
chegou a estar foragido da polícia após pular o muro do prédio onde estava custodiado em 2018, mas em 20 de junho de 2019 ele foi recapturado em Tucuruí, por policiais do Núcleo de Apoio à Investigação (NAI). Desde então, vinha aguardando julgamento.
Em novembro de 2018, Caldas foi condenado pelo Juiz Marcelo Andrei Simão Santos, titular da 2ª Vara Criminal de Marabá, a 2 anos e 8 meses de prisão, pelo crime de porte ilegal de arma de fogo. Ele já era acusado de participar da tortura e morte de Naiara Ribeiro Viera.
Reportagem: Correio de Carajás