Foto: DOL

A professora Rosana Louzada, que foi agredida durante 12 horas pelo ex-companheiro Davidson da Silva, atualmente preso, diz que teme pela vida, caso ele seja solto. A defesa do acusado tenta descaracterizar o crime de tortura a fim de conseguir um habeas corpus.
Rosana disse que chegou a ser espancada também quando estava grávida. “Ele chegou a me levantar pelo pescoço com uma mão só. Eu cheguei a segurar na mesa e o que estava em cima caiu e quebrou os copos. Ele me bateu também porque os copos haviam quebrado e estava fazendo barulho durante a madrugada“, disse ela.
Eu cheguei a me urinar. Ele me fez abaixar e limpar. Eu cheguei a escorregar na minha própria urina. Eu sujei a parede e ele me fez limpar“, explicou.
A delegada Fernanda Fernandes, da Delegacia de Atendimento à Mulher de Duque de Caxias (RJ), classifica o acusado como um “colecionador de vítimas“.
Esse agressor já vem colecionando vítimas. Todas que passam por ele, as reais e virtuais, porque ele já teve relacionamento virtual, foram vítimas de violência doméstica“.
Reportagem: DOL com informações do Portal Notícias ao Minuto

Comentários do Facebook