Um motorista do Distrito Federal recebeu quatro multas, na última semana, enquanto o carro dele era guinchado pelo próprio governo. Segundo as ocorrências, o carro ultrapassou a velocidade permitida três vezes e trafegou pela faixa exclusiva da EPNB, em um único dia, durante o reboque.

Foto: reproduçāo G1

As infrações foram cometidas pelo motorista do guincho mas, como o carro foi rebocado com as rodas no asfalto, a placa registrada nas câmeras foi a do veículo apreendido. O Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF) reconheceu o erro, e disse que vai anular as multas.
Como a placa do caminhão guincho não foi registrada, segundo o DER, também não é possível transferir as infrações para o motorista do serviço. Com isso, ninguém vai pagar as multas: nem o dono do carro, nem o operador do reboque.
Dívida atrás de dívida
O carro do estagiário Rafael Lopes foi apreendido em dezembro, justamente, em razão de faturas pendentes. Ele foi parado pela Polícia Militar em dezembro, em um posto policial perto de Samambaia. Lá, os militares verificaram que o carro estava com dívidas e a documentação atrasada.
No dia seguinte, o guincho acionado pelo governo tirou o carro do posto policial e levou até o pátio do Detran, no Plano Piloto. Logo em seguida, Rafael pagou as dívidas e tirou o carro do depósito.
A situação parecida resolvida mas, na semana passada, chegaram as quatro dívidas. Somados, os valores ultrapassavam a casa dos R$ 500. Isso, sem contar o custo do guincho entre Samambaia e o Plano Piloto, de R$ 700, e as diárias no pátio do Detran.
É revoltante porque a gente já paga muito tributo, né. E ainda chegar em casa, com esse tanto de multas assim. Fora o que eu tive que pagar para retirar o carro, que foi muito pesado“, diz o estagiário.
Reportagem: G1

Comentários do Facebook