É muito importante para nós a prefeitura manter nossa cultura”, disse Botiê Xikrin durante tradicional festa das mulheres indígenas.
O final de semana foi de muita celebração e alegria para o povo Xikrin do Cateté. A aldeia Djudjekô foi palco da festa das Menire Biôk, que é a tradicional festa das mulheres. O evento foi realizado por meio do convênio firmado entre a prefeitura e o Instituto Indígena Botiê Xikrin. A finalidade do convênio é fortalecer as tradições indígenas com a realização de atividades socioculturais.
O presidente do instituto, Bekroti Xikrin, avalia de forma positiva a parceria firmada com o governo municipal. “É muito importante para nós a prefeitura manter nossa cultura. Esse convênio é importante para conservar as tradições indígenas. Nossa cultura não pode ser esquecida, mas sim ensinada para nossos netos, para os jovens”, defendeu ele.
Nessa festa, os homens são coadjuvantes e participam apenas prestigiando as apresentações das mulheres. Desde recém-nascidas, as meninas são incentivadas a preservarem a cultura. Antes do evento, há uma preparação especial. As indígenas realizam pinturas corporais e se enfeitam com indumentárias produzidas por elas mesmas. Os últimos preparativos ocorrem no centro da aldeia, onde elas se reúnem para colocar as últimas vestimentas e acessórios antes de iniciarem as danças.
Quem teve a chance de prestigiar o evento foi o sociólogo e pesquisador pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Rodrigo Lima, que está fazendo um estudo no município sobre o impacto da mineração no entorno da região. “É de um respeito muito profundo por essa cultura que é tratada com muito carinho e muito cuidado. Divulgar na cidade e principalmente no entorno já é um grande avanço, e que, a partir disso, eles tenham cada vez mais o respeito e os direitos que merecem”, comentou ele.
Texto: Rayssa Pajeú – Fotos: Piedade Ferreira – Assessoria de Comunicação – Ascom/PMP

Comentários do Facebook