Enfermeiro acusado de estupro já está na Cadeia Pública de Parauapebas

 Enfermeiro acusado de estupro já está na Cadeia Pública de Parauapebas

Freepik

O enfermeiro Mauro Francisco Brito Filho, preso ontem, quarta-feira (17), acusado de ter cometido estupro em fevereiro deste ano, foi transferido nesta quinta-feira (18) para a Cadeia Pública de Parauapebas. Ele foi capturado por uma equipe da Deam (Delegacia Especializada de Atenção à Mulher) em cumprimento a Mandado de Prisão Preventiva expedido pela Justiça local.

Na Audiência de Custódia, ocorrida no início da tarde de hoje, a juíza decidiu manter a prisão preventiva, não aceitando os argumentos da defesa nem os apresentados pelo próprio acusado, por entender que o caso precisa ser melhor analisado.

Ouvido pela Reportagem do Blog, em Parauapebas, o advogado Antônio Araújo de Oliveira, mais conhecido como dr. Toni, que assumiu a defesa de Mauro Francisco, argumentou que, o que houve na clínica de propriedade do acusado, “se é que houve”, foi consensual e não caracteriza estupro, pois, na visão dele, esse tipo de violência sexual só ocorre com o emprego de ameaça por arma de fogo ou outro tipo de arma; ou quando a vítima é arrastada para um lugar ermo.

Dr. Toni argumenta ainda que a pessoa que acusa seu cliente é maior de idade, tem mais de 20 anos, e após o suposto estupro saiu calmamente da sala, ao lado de outra em que havia outras pessoas. Novamente no entendimento dele, caso tivesse sido vítima de violência sexual, a mulher teria saído gritando da sala, desesperada, o que, segundo o advogado, não aconteceu.

Indagado sobre o que então teria motivado a vítima a denunciar o enfermeiro, dr. Toni diz acreditar que talvez ela tenha ficado desconfortável, se arrependido ou ter ficado com a consciência pesada por ter feito o que fez, “se é que aconteceu” alguma coisa.

Na Polícia Civil, em Parauapebas, o assunto, ao contrário do que acontece em outros casos de suspeita de estupro ou de estupro, parece estar sendo guardado em segredo. Na Delegacia de Polícia Civil, a Reportagem, desde ontem, vinha tentando colher informações com vários policiais, mas sem sucesso.

Na tarde desta quinta-feira, a Reportagem do Blog em Marabá entrou em conato, por telefone, com a delegada titular da Deam, Ana Carolina de Abreu, solicitando informações sobre o caso. No momento, por volta das 14h, ela disse que estava dirigindo e afirmou que dentro de uma hora poderia falar. Passado o tempo combinado, todas as ligações dirigidas ao celular da delegada passaram e ser encaminhadas para a caixa de mensagem.

Fonte: Zé Dudu

Deo Martins