Os estudantes de enfermagem da Universidade do Estado do Pará (Uepa) ainda executam a segunda fase da pesquisa epidemiológica da Covid-19. Até o dia 10 de agosto, a pesquisa foi realizada em 43 bairros de Belém e outros 17 bairros de Ananindeua. Agora, as equipes realizam a pesquisa em 52 municípios das regiões do Carajás, Baixo Amazonas, Araguaia, Marajó Ocidental, Tapajós, Xingu e nordeste.
A previsão é que o levantamento de informações desta segunda etapa seja divulgado no final do mês. No momento, as equipes já estão captando e registrando os primeiros dados que foram colhidos na capital. São mobilizados 227 profissionais, entre acadêmicos e profissionais da biossegurança da Universidade do Estado do Pará.
Para os alunos têm sido muito bom, além de estarem envolvidos nessa questão do cenário da Covid-19, estão contribuindo para o entendimento da doença com informações para a população, e eles acabam também conhecendo a realidade das localidades onde irão trabalhar”, ressalta Clay Chagas, vice-reitor da Uepa e coordenador da pesquisa.
A pesquisa epidemiológica ainda terá uma terceira fase que será realizada em setembro, seguindo a mesma metodologia e estratégia em 32 municípios que ainda não foram atendidos. Como todos os dados, é possível mapear e ter o cenário completo da Covid-19  em todo o estado do Pará.
Resultados da primeira fase
Na primeira etapa da pesquisa, foram feitas 8.587 entrevistas em todas as oito regiões de regulação do Estado. Além do questionário, foi realizado o teste rápido.
No Pará, um em cada cinco habitantes testaram positivo para a Covid-19. O número equivale a cerca de 1,3 milhão de pessoas que já possuem anticorpos para a doença ocasionada pelo novo coronavírus, o que representa uma positividade global de 21% e garante que grande parcela da população já foi infectada pela doença.
Os números gerais da pesquisa demonstram que 21% da população pesquisada, com mais de 12 anos, teve contato com o vírus no Estado; 78,5 testaram negativo e 0,5, inconclusivo. Esse resultado foi analisado dentro de uma amostra de mais de 8,5 mil testes realizados, com margem de erro menor que 3%. A amostragem da pesquisa foi composta por 63,3% de moradores da área urbana e 36,7% da área rural.
Agência Pará