As ações de combate à leishmaniose serão intensificadas a partir da próxima segunda-feira, 18, pela Prefeitura de Parauapebas para colocar em prática o plano de contingência apresentado pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) para o enfrentamento principalmente à leishmaniose visceral. O plano propõe estratégias e a organização de ações para garantir, além da assistência médica, o controle ambiental/vetorial com a eliminação de focos do mosquito-palha, transmissor da doença.

Os mutirões de limpeza começarão por Palmares ll, dos dias 18 a 20 deste mês, em seguida Palmares Sul, dos dias 21 a 23, e continuarão vários bairros de Parauapebas até o mês de setembro. Os moradores serão informados antes e durante as ações em todos os bairros.

Além dos mutirões, as atividades englobam campanhas educativas, poda de árvores, avaliação médica veterinária, palestras e serviços em saúde pública com o trabalho simultâneo das secretarias de Saúde (Semsa), de Serviços Urbanos (Semurb), de Obras (Semob), de Segurança Institucional (Semsi), de Meio Ambiente (Semma), de Produção Rural (Sempror), de Educação (Semed), Departamento de Trânsito (DMTT) e Assessoria de Comunicação (Ascom).

O governo municipal buscou apoio ainda da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) e do Centro de Educação Ambiental de Parauapebas (Ceap) que somarão forças e conhecimento para reduzir drasticamente casos de leishmaniose em humanos e em cães.

DADOS

Segundo a Semsa, com base em dados epidemiológicos da Vigilância em Saúde, de janeiro a maio de 2017 foram registrados quatro casos de leishmaniose visceral em humanos. No mesmo período deste ano, foram 37 casos a mais. Para a Semsa, o aumento deve-se a várias razões, entre as principais os processos migratórios, urbanização crescente, impactos ambientais, abandono e aumento populacional de animais, além da exploração mineral e outras.

As providências passam também pela Unidade de Vigilância em Zoonoses (UVZ) que atendeu, apenas no primeiro quadrimestre deste ano, 634 animais, destes 436 foram diagnosticados com leishmaniose. Além dos testes rápidos enviados pela Secretaria de Saúde Pública do Pará (Sespa), a Semsa também adquire os testes rápidos que podem detectar a doença, que por sua vez pode ser ou não confirmada após a sorologia por meio de análise laboratorial.

Com ascendência da doença na região e em Parauapebas, o governo municipal não mede esforços para integrar poder público e população para barrar permanentemente casos de leishmaniose, tal como foi feito em 2017 no combate ao Aedes Aegypti, que resultou em quedas acima de 90% de casos confirmados de dengue e febre chikungunya, no município.

Acesse a programação dos mutirões nos bairros aqui: Cronograma dos mutirões de limpeza

Texto: Jéssica Diniz   – Assessoria de Comunicação – Ascom | PMP

Comentários do Facebook