O Ministério da Saúde afirmou que não há comprovação científica de que a vitamina D seja eficiente nem para prevenir e muito menos para tratar o novo coronavírus.
Desde o início da pandemia, a pasta já havia alertado sobre a circulação de notícias falsas em redes sociais que recomendavam a ingestão de vitamina D para o sistema imunológico e evitar infecções provocadas pelo Sars-CoV2.
Na última sexta-feira (27), o jornal italiano La República, publicou uma notícia sobre um estudo feito no pais que teria demonstrado que muitos pacientes internados tinham carência de vitamina D. A recomendação dos autores era para que as pessoas infectadas, seus familiares, idosos e profissionais de saúde recebessem a suplementação como auxílio para recuperação ou prevenção da doença.
Durante coletiva de imprensa realizada no sábado (28), em Brasília, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, reforçou que ainda não há evidências científicas sobre o uso da vitamina D contra o novo coronavírus e as medidas de prevenção recomendadas pelo Executivo seguiam as mesmas: lavar as mãos sempre, evitar aglomerações, manter a etiqueta respiratória e, se possível, reduzir os contatos sociais.
Estamos acompanhando todos os estudos que têm sido feitos no mundo e incorporaremos aos nossos protocolos apenas os que tiverem eficácia comprovada”, afirmou Gabbardo.
DOL com informações de Metrópoles