Reprodução

Em menos de 10 dias os casos suspeitos de sarampo saltaram de 11 para 21 em Marabá, com ocorrências em diversos bairros e até na zona rural. O diagnóstico preciso é demorado e depende de envio de amostras dos pacientes para Belém. Segundo a Secretaria de Saúde da Prefeitura, apenas dois casos estão confirmados no Município: uma criança de um ano e um adulto, ocorrências verificadas na Vila Santa Fé e no Bairro Liberdade.
Sarampo é uma doença infecciosa grave, causada por um vírus, que pode ser fatal. Sua transmissão ocorre quando o doente tosse, fala, espirra ou respira próximo de outras pessoas. A única maneira de evitar o sarampo é pela vacina.
Os 21 casos com sintomas suspeitos de sarampo e que estão em investigação para comprovação são de pessoas residentes nos bairros: Da Paz, Liberdade, Independência, Novo Planalto, todos muito populosos, além de algumas folhas da Nova Marabá.
A equipe de reportagem ouviu ontem a enfermeira Sabrina Acyoly Monteiro Silva, diretora de Vigilância em Saúde da SMS, sobre o tema, e ela explicou que a comprovação dos casos como sarampo é demorada, pois exige, além da notificação, recolhimento de duas amostras de sangue, urina e secreção do paciente e envio para o Lacem, que fica em Belém. A primeira amostra é enviada de imediato e a segunda num prazo de 15 a 20 dias.
O Município estava realizando uma campanha de vacinação contra o sarampo que encerrou justamente ontem, dia 29, mas Sabrina explica que todas as Unidades Básicas de Saúde do município estão contando com doses da vacina e qualquer pessoa por procurar esses locais a qualquer momento e se vacinar. A enfermeira pede, ainda, que qualquer pessoa, ao mínimo sintoma da doença, procure de imediato um profissional nesses postos de segunda a sexta-feira, ou nos hospitais.
A população mais vulnerável para a doença no momento são crianças de seis meses a cinco anos e adultos de 20 a 29 anos. Por isso, aqueles que não têm comprovante da vacinação podem se vacinar, desde que estejam na faixa etária exigida pelo SUS.
SINTOMAS
Os sintomas são: febre acompanhada de tosse; irritação nos olhos; nariz escorrendo ou entupido; mal-estar intenso. Em torno de 3 a 5 dias, podem aparecer outros sinais e sintomas, como manchas vermelhas no rosto e atrás das orelhas que, em seguida, se espalham pelo corpo. Após o aparecimento das manchas, a persistência da febre é um sinal de alerta e pode indicar gravidade, principalmente em crianças menores de 5 anos de idade.
Não existe tratamento específico para o sarampo. Os medicamentos são utilizados para reduzir o desconforto ocasionado pelos sintomas da doença.
As pessoas já diagnosticadas foram orientadas a permanecerem em casa, em repouso. Marabá é o primeiro município da região a confirmar caso da doença.
Reportagem: Correio de Carajás

Comentários do Facebook