O governador do Pará, Helder Barbalho, anunciou nesta sexta-feira (29), durante coletiva, as primeiras premissas para uma gradativa e segura retomada econômica no Estado, inclusive com a reabertura de shoppings, comércio e igrejas.
As medidas para o retorno de forma controlada levaram em consideração, a segmentação de pilares como disseminação da doença, capacidade do sistema de saúde, testagem e monitoramento da transmissão, abordagem regional e engajamento da população.
A coletiva contou ainda com a presença do reitor da Universidade Federal Rural do Pará (Ufra), Marcel Botelho, que explicou sobre a diminuição dos casos diários de covid-19 no Estado. “O nosso estudo utiliza modelagem de redes neurais artificiais e os dados da Sespa para entender como a pandemia se desenvolve no Estado. Fizemos a previsão anterior, mas com o descompasso das notificações, apenas depois identificamos a tendência de queda no Pará“, afirmou.

Apenas duas regiões do Estado estão aptas para retomar as atividades gradativamente: a Região Metropolitana de Belém/Marajó Oriental/Baixo Tocantins e Araguaia, que apresentaram risco médio, levando em consideração os municípios paraenses com taxa de transmissão média e média capacidade de resposta do sistema de saúde.
É importante deixar muito claro que esse critério de bandeiramento está pautado na ciência e na capacidade do sistema de saúde para proteger a população. apenas duas regiões do Estado estão classificadas como risco médio, todos os demais estão com risco alto e requer que tenhamos todo cuidado para salvar a vida da população“, explicou o governador.Um monitoramento irá apontar quais os riscos de contaminação em cada região do Estado, para indicar quais as medidas adequadas em cada região. (Imagem: divulgação)
Helder ressaltou ainda, que esses critérios serão revisados diariamente, destacando a importância do cumprimento dos protocolos e vigilância de saúde.
Vamos avaliar isso diariamente. A cada sexta-feira vamos fazer um balanço, mas é importante que a população respeite o isolamento social, que respeitem os protocolos e vigilância de saúde, as restrições e nos ajude. Se os números apresentarem colapso na rede de saúde, podemos regredir e ir ao extremo novamente, como o lockdown“, ressalta o governador.
De acordo com o ranking dos setores para a reabertura gradativa nas regiões liberadas estão comércio de rua, shopping center (menos os cinemas e as praças de alimentação), salão de beleza, igreja, indústria, construção civil, concessionárias e escritórios.Cada setor específico possui um impacto na possível contaminação e portanto devem voltar ao funcionamento normal em momentos distintos. (Imagem: divulgação)
Analisamos os setores que trazem uma população que volta a circular e pode influenciar na disseminação viral para não termos um colapso no sistema de saúde. Mantivemos o essencial em funcionamento para que as pessoas tenham acesso para continuar com a sua vida, através do rankeamento dos setores para verificar sua abertura. Todos nós somos responsáveis por esse retorno seguro“, alerta o Secretário do Desenvolvimento Econômico do Pará, Adler Gerciley.
Para trabalhadores e empresas, foram desenvolvidos procedimentos operacionais padrão, visando assegurar a proteção à saúde no local de trabalho. Dentre eles estão utilização de máscaras, estímulo ao trabalho remoto, afastamento de trabalhadores do grupo de risco, adiamento de viagens a negócios, limite de entrada de visitantes, abertura de janelas e desligamento do ar condicionado, quando possível, além de implementação do distanciamento físico e ações de higiene.
RMB/MARAJÓ ORIENTAL/ BAIXO TOCANTIS e ARAGUAIA
METROPOLITANA I (Ananindeua, Belém, Benevides, Marituba e Santa Barbara do Pará);
METROPOLITANA II (Acará, Bujaru, Colares, Concórdia do Pará, Santa Izabel do Pará, Santo Antônio do Tauá, São Caetano de Odivelas, Tomé-Açu e Vigia);
MARAJÓ I (Afuá, Cachoeira do Ararari, Chaves, Muaná, Ponta de Pedras, Salvaterra, Santa Cruz do Arari, São Sebastião da Boa Vista e Soure);
TOCANTINS (Abaetetuba, Baião, Barcarena, Cametá, Igarapé-Miri, Limoeiro do Ajuru, Mocajuba, Moju e Oeiras do Pará).
ARAGUAIA (Água Azul do Norte, Bannach, Conceição do Araguaia, Cumaru do Norte, Floresta do Araguaia, Ourilândia do Norte, Pau D’Arco, Redenção, Rio Maria, Santa Maria das Barreiras, Santana do Araguaia, São Félix do Xingu, Sapucaia, Tucumã e Xinguara).
AÇÕES NO PARÁ
O balanço apresentado na coletiva mostra que 31.132 casos de Covid-19 foram registrados no Pará, sendo 2.785 óbitos, 5.046 foram descartados e 23.252 recuperados.
Dentre as ações de saúde adotadas pelo Governo do Pará estão aquisição de equipamentos de proteção individual, criação de 1212 leitos clínicos e 525 UTIS (até 29/05), construção de oito hospitais de campanha, aquisição de medicamentos do protocolo Covid-19, 14 hospitais de referência para Covid-19 no Estado, decreto de lockdown para 17 municípios e outros.
Andressa Ferreira – Diário Online