O nascimento de um bebê é sinônimo de alegria e esperança, mas para uma família do município de Ourém, nordeste paraense, a chegada do pequeno Davi se tornou um verdadeiro pesadelo. A criança teve a cabeça arrancada durante o parto
A mãe do menino, Daira Oliveira de Souza, de 26 anos, estava com 8 meses de gestação, quando foi encaminhada para Belém. Ela ficou internada na Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará. Na manhã da última sexta-feira (16), a jovem entrou em trabalho de parto. Porém, o desfecho da chegada da criança teve um final completamente inesperado.
De acordo com o pai do menino, Roberto Lemos, a cabeça da criança foi arrancada durante o parto. A acompanhante da gestante, identificada como Amanda, relatou à família de Daira que a equipe médica teria forçado um parto normal, o que não foi aconselhado pelo médico que acompanhou a paciente em Ourém.
A Amanda é uma grande amiga da minha esposa. Ela falou que tinha visto tudo e ainda chegou a falar que a Daira não poderia ter um parto normal. Ainda assim, continuaram. Quando puxaram a criança, ela disse que a cabeça soltou do resto do corpo e acabou caindo no chão“, contou Roberto.
Ainda segundo o pai do menino, a jovem tinha passado por vários exames antes de vir para Belém e não havia nenhuma anormalidade detectada no bebê. A criança apenas apresentava um problema renal que, de acordo com o médico da jovem, não iria interferir em nada durante o nascimento do bebê. Revoltado com a situação, Roberto afirmou que vai registrar um Boletim de Ocorrência para que a morte do menino seja esclarecida.
É revoltante demais. Vamos fazer justiça pra isso“, ressaltou o pai da criança.
Pelas redes sociais, o governador Helder Barbalho se pronunciou sobre o caso, informou que afastou a equipe envolvida no parto e solicitou a investigação do caso pela Polícia Civil e pelo Centro de Perícias Científicas Renato Chaves.
Ao tomar conhecimento sobre o triste acontecimento na manhã deste sábado, na Santa Casa do Pará, mandei imediatamente afastar todos os envolvidos que participaram do atendimento a gestante, vinda de Ourém”, escreveu”Pedi também a Policia Civil do Pará que apure com rigor o ocorrido, abrindo um inquérito para investigar, junto com o Renato Chaves, as causas e os responsáveis, para eventuais punições sobre o caso“.


Diário Online.