A enchente dos rios Tocantins e Itacaiúnas começou a desabrigar as primeiras famílias em Marabá, sudeste do Estado. O Tocantins amanheceu ontem com 9,84 metros acima do nível normal, e às 18h, o rio havia chegado a 9,99 metros, situação de alerta. O Itacaiúnas também tem subido. O nível de alerta da Defesa Civil é de 10,30 metros.
Na Vila Canaã, na Marabá Pioneira, as primeiras famílias já estão desalojadas. Pelo menos 15 lares foram invadidos pelas águas, atingindo cerca de 60 pessoas. A dona de casa Sônia Ribeiro foi uma das primeiras a deixar sua residência, mas a casa onde mora atualmente é de uma amiga e também já está quase alagada. “A vizinha arrumou a casa aqui para a gente, que ela também mudou, mas a água está subindo rápido. SóJesus que sabe para onde eu vou agora”, lamentou.
A água também já chegou ao quintal da casa de Wellynton Hugo da Silva, que mora há 20 anos na localidade. A esperança dele é que a Defesa Civil ajude sua família fornecendo um caminhão para eles fazerem a mudança. “A gente vai correr atrás para mudar para casa de um amigo, parente ouentão um abrigo”, disse.
Segundo o coordenador da Defesa Civil Municipal de Marabá, Jairo Milhomem, os abrigos deverão começar a ser construídos na tarde desta quinta-feira. Inicialmente serão construídos cinco (três no Núcleo Cidade Nova, um na Marabá Pioneira e um na Nova Marabá). Se for necessário, a Prefeitura vai disponibilizar outros quatro. Hoje, a Defesa Civil também estará com três caminhões fazendo a mudança dessas famílias afetadas pela enchente.
Na segunda e terça-feira choveu bastante em Marabá. Ontem, choveu pouco pela parte da manhã e a tarde apenas tempo nublado.
De acordo com o Plano de Contingência de Enchente dos Rios Tocantins e Itacaiúnas para 2020, cada abrigo deve conter água potável, coleta de lixo regular, quatro banheiros, sendo dois masculinos e dois femininos, o mesmo vale para os chuveiros, além de espaço para lavanderia, secagem de roupas, fornecimento de energia elétrica e reservatório de água com capacidade de cinco mil litros. As pessoas serão alocadas para se manterem o mais próximo do seu local de origem.
Em 2019, o Tocantins ultrapassou dez metros. Mais de 350 famílias foram atingidas e 130 foram para abrigos montados pela Prefeitura. Mais de 200 tiveram de procurar abrigo na casa de amigos ou familiares.
Ao total, os nove abrigos suportam 770 famílias, cerca de 3.080 pessoas.
Trechos de quatro rodovias estaduais são reconstruídos
A Secretaria de Estado de Transportes (Setran) trabalha para recuperar, de forma imediata, trechos de quatro rodovias – PAs-136, 140, 150 e 242 –, no nordeste paraense, que ficaram prejudicadas após as fortes chuvas que caem em todo o Pará desde o último sábado (7). O tráfego no quilômetro 1 da PA-242 já foi restabelecido, no trecho que liga Castanhal a Santo Antônio do Tauá, e o buraco formado na pista também já foi fechado. Agora, o trabalho é de acabamentos finais.
Na PA-136, trecho de Curuçá, que também rompeu, a Setran sinalizou a via e colocou um desvio para garantir o fluxo de veículos, enquanto faz a construção do bueiro, que terá capacidade duplicada para evitar novos rompimentos.
Na PA-140, em São Caetano de Odivelas, a Setran atua para a recomposição da drenagem, que já foi mobilizada. As máquinas estão na pista e retiram terra acumulada para fazer a recomposição da rede de drenagem, que agora receberá 24 tubos. Hoje será feita a recomposição da pista com seixo bruto para liberar o tráfego na via, quando será iniciada a reconstrução de bueiro duplo. Na PA-140, entre Vigia e São Caetano de Odivelas, o tráfego segue interrompido, mas deverá ser restabelecido em meia pista até hoje. Já na PA-150, perto de Tailândia, parte da via rompeu e o tráfego foi restringido em meia pista. O local foi sinalizado e os trabalhos de recomposição do asfalto já começaram. Será feita também a substituição de um bueiro.
DOL – Alessandra Gonçalves de Marabá