Na tarde da última sexta-feira (14), por volta das 14 horas, populares acionaram uma guarnição do Grupo Tático Operacional (GTO) para informar que quatro elementos estavam tentando esconder uma moto roubada num matagal no Bairro Amapá, complexo Cidade Nova. Os policiais encontraram os acusados, houve troca de tiros e um deles acabou morrendo. Trata-se de Cleyton da Silva Pinto, conhecido como “Di Menor”, que tinha apenas 16 anos. A morte dele aconteceu 48 horas depois que outro adolescente infrator também foi morto pela polícia em Marabá após ter cometido assalto. Os dois casos revelam o quão cedo os jovens estão enveredando no mundo do crime.
De acordo com o tenente Mourão, do Tático, a guarnição estava em ronda rotineira pelo bairro, quando os populares relataram a presença dos acusados num matagal depois da Rua da Colina. O policial narrou como se deu a perseguição que resultou na morte de um dos acusados: “Um dos meliantes atirou na guarnição, mas a guarnição revidou à injusta agressão; um dos elementos que estava atirando foi neutralizado; e nós continuamos o acompanhamento e conseguimos capturar mais um, trouxemos para a viatura, depois voltamos para a área de mata”.
Ainda de acordo com o oficial, nesse intervalo de tempo em que eles levaram um dos acusados para o camburão da viatura, os outros tomaram distância e não puderam mais ser alcançados pela guarnição. Diante disso, os militares seguiram para o Hospital Municipal de Marabá (HMM), onde foi atestado o óbito de “Di Menor”.
Em seguida os militares apresentaram o outro integrante do bando, identificado como Walison Máximo Gomes, de 20 anos, na Distrital Cidade Nova, onde o delegado Vitor Leal lavrou o flagrante. Junto com o acusado, foi apresentada a moto roubada, uma Honda POP (placas QDA-9158); um revólver calibre 38, da marca Taurus; e ainda 14 petecas de crack.
O flagrante ainda estava sendo confeccionado na noite de ontem, mas o tenente Mourão identificou – na ação criminosa – os crimes de tráfico de drogas, porte ilegal de arma, receptação de produto roubado e ainda associação criminosa. O militar entende que a ação foi bem sucedida por parte da guarnição composta por ele, pelos cabos Rocha Santos e Diego Silva; e pelo soldado Craveiro: “A Polícia Militar do Pará e o GTO de Marabá mostraram mais uma vez que estamos prontos para trabalhar e proteger a sociedade”.
Chagas Filho com informações de Evangelista Rocha – Correio de Carajás