Tatiane Bernardi Teixeira Pinto – mais conhecida como Tati Bernardi – uma contista, romancista, cronista e roteirista brasileira, citou em um dos seus contos a seguinte frase: “Tem muito falso reclamando de falsidade”.
Hoje o Blog teve acesso ao relatório da Justiça Eleitoral sobre as desfiliações fraudulentas ocorridas com alguns filiados do Partido Progressista em Parauapebas. E não é que o envolvido, aquele que deixou suas digitais no ato segundo a justiça eleitoral, vive pregando moralidade, cobrando justiça, organizando manifestações para que a Câmara Municipal tire o prefeito do cargo? Pois é, esse cidadão deve ter servido de molde para Tati Bernardi escrever a frase acima.
Todo computador tem um endereço, a que se deu o nome de IP – Protocolo de Internet. É o endereço pessoal de cada máquina que se registra na rede mundial de computadores e pelo qual as autoridades podem saber quem fez tal ação na rede. Ou seja, ela entrega o cidadão que usa o suposto anonimato da rede para fazer coisas erradas.
Como disse, o relatório da Justiça Eleitoral apontou o operador das filiações em Parauapebas, aquele que, achando que estava oculto, usou sua senha pra tirar filiados com bom potencial de votos do PP e outros partidos. Foram vítimas, inclusive o prefeito Darci Lermen que foi retirado do MDB e filiado ao PP, e o presidente do PRTB, Julio César, também filiado ao PP. Claro, que o oportunista achava que seu ato não seria notado e que o prefeito e demais filiados seriam qualificados como “dupla filiação”, o que fatalmente os impossibilitariam de registrar suas candidaturas.

O ex-vereador e ex-presidente da Câmara Municipal de Parauapebas, Adelson Fernandes, segundo relatório da justiça eleitoral ao qual o Blog teve acesso com exclusividade, foi o autor das desfiliações fraudulentas. Seu DNA foi encontrado pela JE, sua senha foi a utilizada para o cometimento dos crimes eleitorais na calada da noite.
A pergunta que se faz é: a quem isso beneficiaria? Logo o Adelson Fernandes, que vive cobrando moralidade, que vive se auto-intitulando caçador de corruptos, que vive organizando reuniões no sentido de tirar do poder o atual prefeito?
Qual o objetivo de Adelson com essa ação fraudulenta no site da justiça eleitoral? Será que Adelson vem candidato a prefeito e por esse motivo tentou tirar o prefeito e outros virtuais candidatos do páreo, ou cometeu esse crime para ajudar alguém?O Blog tentou falar com o ex-vereador Adelson Fernandes para ouvir dele algo sobre o relatório apontando seu nome como autor das falcatruas. Todavia, as ligações não foram atendidas. Adelson, suponho, deve alegar não ter conhecimento do fato, ou que sua senha deve ter sido roubada por hackers ou coisa parecida. Porém, é bom lembrar que somente o “Administrador” e o “Operador” do partido, previamente cadastrados e com senha intransferível podem executar os procedimentos de filiação e desfiliação no Programa FILIA, da Justiça Eleitoral. Uma tentativa de alegar para a justiça eleitoral que sua senha foi usada indevidamente pode acarretar outros problemas a Adelson Fernandes, que já deverá responder por vários crimes a esta mesma justiça, e a outros aos prejudicados.
Adelson Fernandes foi vereador por dois mandatos em Parauapebas e chegou à presidência da Câmara Municipal de Parauapebas. Portanto, é um político experiente e jamais alegará desconhecimento das obrigações e das responsabilidades a que um operador do FILIA está sujeito.
Fonte: Zedudu.com.br