Atendendo solicitação do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (Sintepp), subsede Parauapebas, a vereadora Eliene Soares (MDB) apresentou a Indicação nº 262/2018, pedindo ao Poder Executivo Municipal que isente os servidores públicos municipais da taxa de entrada na Feira de Agronegócios de Parauapebas (Fap) deste ano.
A proposição foi aprovada pela maioria dos parlamentares na sessão ordinária desta terça-feira (28), mas dois vereadores discordaram da solicitação e votaram contra.
No documento, Eliene argumenta que faz o pedido de isenção tendo em vista que a prefeitura contribui com um alto incentivo para realização da feira.
A entrada gratuita também promoverá uma visitação maior à Fap e consequentemente trará maior rendimento ao evento, posto que os gastos com entretenimentos em geral serão mais significativos, tanto pela quantidade de participantes quanto pela economia, com o valor que seria pago pela entrada, que poderá ser gasto com diversas outras atrações”, relatou a vereadora.
Em anexo à indicação, a parlamentar colocou o ofício com a solicitação do Sintepp, no qual a entidade informa que a prefeitura vai destinar R$ 1,5 milhão para o Sindicato dos Produtores Rurais de Parauapebas (Siproduz)
Discordâncias

Foto: Déo Martins

Zacarias Marques (PSDB) votou contra a Indicação nº 262/2018, argumentando não achar justo que apenas uma categoria da sociedade fosse beneficiada com a isenção da entrada na Fap. O vereador defendeu uma contrapartida social mais justa e que pudesse abranger mais pessoas.
Quando a gente coloca só o servidor público, exclui a sociedade civil. E o servidor público já tem o seu salário, tem seu ganho. Sugiro que, com esse dinheiro que o município coloca lá de R$ 1,5 milhão, a feira reduza o preço da entrada, de uma forma que a sociedade tenha condições de participar. Porque a feira é feita para o povo, é um momento de a gente incentivar nossa economia. Me posiciono contrário à indicação, tendo em vista a quantidade de gente desempregada na nossa cidade. Somos uma cidade operária, e precisamos olhar como um todo”, justificou Zacarias Marques.
Ivanaldo Braz (PSDB) que também votou contra, mas sugeriu que a vereadora retirasse a matéria da pauta e disse que é contra os altos incentivos feitos pela prefeitura a eventos culturais. “Acho alto o valor que a prefeitura está doando. É R$ 1 milhão e não é R$1,5 milhão, mas acho que o dever moral da prefeitura é deixar um dia de entrada de graça para todos. E também acho que temos que diminuir a participação do dinheiro público em festas, em carnaval, em festa junina. Sei que faz parte da cultura, que é necessário também, mas vamos limitar, diminuir esses valores, porque o município passa por uma ruína e a gente tem que cortar exatamente nessas coisas, que eu acho mais supérfluas. Acho que deveria retirar esse requerimento para não colocar nenhum vereador em xeque aqui, porque ninguém é contra funcionário público, mas, pelo menos, eles estão recebendo no final do mês. E a demanda que está desempregada, como vai ver a Fap? É pior”, destacou.
Eliene informou que fez a solicitação de entrada gratuita para os servidores públicos municipais porque foi procurada pelo Sintepp, mas faria o pedido para qualquer categoria que lhe pedisse. “Entendo que seria interessante se a entrada fosse aberta para toda população, até porque tem um patrocínio muito alto do poder público. Mas, se não tiver público, com certeza não terá lucro, venda, trabalho, emprego e renda lá dentro. Agora, independente de ser aprovado ou não, não quer dizer que a gente não possa se reunir com o prefeito para pedir, sem ser através de indicação, que libere para a população 0800 para participar da festa”, retrucou.
Aprovação
Depois da discussão, a Indicação nº 262/2018 foi colocada em votação e foi aprovada pela maioria dos vereadores. A proposição será encaminhada para análise do prefeito Darci Lermen.
Texto: Nayara Cristina/Revisão: Waldyr Silva/ Fotos: Anderson Sousa/Deo Martins

Comentários do Facebook