Dario nega as acusações contra ele/ Foto: reprodução

Dario Gonçalves Nascimento, de 57 anos, foi preso preventivamente em Parauapebas sob a acusação de estuprar a enteada de 9 anos. “Ela foi submetida a exame sexológico que testou positivo para conjunção carnal e atos libidinosos”, informou a delegada Ana Carolina Carneiro, titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Criança e ao Adolescente (Deaca), Ana Carolina Carneiro, que realizou a prisão na manhã da última quarta-feira (5), no Bairro Rio Verde.
A delegada disse investigar a suspeita de que o homem cometia abusos contra a criança desde o ano passado, quando ela tinha apenas 8 anos. Dario é acusado, ainda, de ameaçar a vítima, o que a fazia ter medo de contar o crime para a mãe.
Ana Carolina relata que a denúncia chegou à Deaca há duas semanas quando a irmã mais nova da vítima, de apenas três anos, foi a responsável por levantar a suspeita da mãe. Assim que a mulher chegou na casa, a pequena menina falou que a irmã mais velha estava no banheiro com Dario. A criança ainda descreveu os atos que estavam sendo praticados com a outra menina.
Ainda conforme a delegada, a mãe informou ter aberto a porta do banheiro e encontrado o companheiro sem as roupas. Neste momento, a filha acabou reunindo coragem para confessar que estava sendo abusada há mais de um ano pelo padrasto. “Os relatos dela para a psicóloga são de cortar o coração”, lamenta a delegada.

Delegada Ana Carolina diz que laudo sexológico deu positivo

Quando a Reportagem conversou com a autoridade policial que realizou a prisão, o homem ainda não havia prestado depoimento porque não havia decidido se iria querer ou não ser assistido por um advogado no momento do interrogatório. Após essa tomada de decisão, ele será encaminhado ao sistema penitenciário da cidade.
Ao conversar com a equipe de reportagem, Dario negou todas as acusações contra ele. “Não fiz nada com a criança, não”, afirmou, acrescentando que tudo não passa de um “mal-entendido” por parte da mãe da vítima.
De acordo com a versão dele, a criança estava brincando na frente da porta do banheiro, enquanto ele “tirava a barba”. Em determinado momento, defende, a menina de 9 anos teria entrado no banheiro para se esconder da irmã mais nova e fechado a porta. Em seguida, sustenta, a mãe viu a menina saindo do banheiro e o acusou de estupro. Ele diz que a mãe da vítima não o deixou explicar o que de fato teria acontecido: “nunca trisquei na menina”, finaliza.
Theiza Cristhine com informações de Ronaldo Modesto – Correio de Carajás