Wendel aparece com o rosto ensanguentado e assustado em um dos vídeos. Foto: reproduçāo

Circulou pelas redes sociais dois vídeos onde aparece um homem com o rosto ensanguentado e com cara de assustado em um matagal, e com ele mais três pessoas que citam que o fato seria em Parauapebas, e questionavam o homem se o mesmo seria membro do CV – Comando Vermelho.
Durante a conversa, dois dos homens mostram um revolver e uma faca e o outro segurava uma corda que estava amarrada no pescoço da vítima, que foi identificado como Wendel Fabrício Correia de 19 anos, conhecido também como “de Belém”, que afirmava que fazia parte do Comando Vermelho
Um outro vídeo exibido logo em seguida, já mostra a vítima no chão, com os pés amarrados, o tórax aberto com as vísceras expostas e com a cabeça ao lado do corpo. Um dos homens diz no vídeo, que isso é o que vai acontecer com os membros do Comando Vermelho.
As imagens viralizaram rapidamente nas redes sociais, Fátima Correia, mãe de Wendel o reconheceu em uma das postagens em um grupo de WhatsApp.
Fátima, que reside em Parauapebas há cinco anos, conta que seu Wendel saiu de casa no último domingo (3), por volta das 20h, dizendo que iria à casa de amigos, mas foi a última vez que ela teve contato com o filho.
Fátima conta ainda, que entrou em desespero ao ver os vídeos onde aparece Wendel sendo pressionado pelos homens a dizer que fazia parte de uma facção, e logo em seguida ele já sem vida.
O delegado Gabriel Henrique, que está responsável pelo caso, disse que já foi instaurado uma investigação preliminar, até porque havia dúvidas se o caso teria acontecido em Parauapebas, e solicitou à população que entrasse em contato pelo Disque Denúncia ou comparecendo na 20ª Seccional de Polícia Civil de Parauapebas se soubessem de alguma informação referente ao caso.
Fátima fez um apelo chorando: “Eu só quero encontrar o corpo de meu filho e pelo menos ter a oportunidade de fazer um velório e enterro dignos”, e afirmou que Wendel não participava de nenhuma facção criminosa. Ele foi forçado a falar que era integrante dessa facção, como vocês viram no vídeo. “As autoridades precisam reforçar a segurança em Parauapebas, quero justiça. Não temos que ter medo, temos que ter fé em Deus”, pediu a māe da vítima.

Comentários do Facebook