Integrantes da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor (CDHDC), da Alepa (Assembleia Legislativa do Pará) , vão visitar nesta sexta-feira (26) a comunidade onde ocorreu um possível confronto entre policiais e trabalhadores rurais no município de Pau D’Arco, sudeste paraense. O objetivo é levantar informações para elaborar um relatório sobre o caso e também prestar solidariedade às famílias das vitimas.
Ontem (25), a Ordem dos Advogados do Brasil, seção Pará (OAB-PA), informou que pedirá o afastamento imediato de todos os policiais civis e miliares envolvidos na operação que resultou na morte das 10 pessoas na fazenda Santa Lúcia. As famílias das vítimas já estão sendo ouvidas na sede da OAB-PA em Redenção e os depoimentos serão enviados para a sede da ordem em Belém quando forem concluídos.
Os corpos dos trabalhadores chegaram ontem em Redenção e devem ser velados durante o dia de hoje. Veja os nomes das vítimas:
Identificados em Marabá:
1. Weldson Pereira da Silva
2. Nelson Souza Milhomem
3. Weclebson Pereira Milhomem
4. Ozeir Rodrigues da Silva
5. Jane Julia de Oliveira
Identificados em Parauapebas:
1. Regivaldo Pereira da Silva
2. Ronaldo Pereira de Souza, de 40 anos
3. Bruno Henrique Pereira Gomes
4. Antonio Pereira Milhomes, de 50 anos
5. Hércules Santos de Oliveira
O caso
Na manhã da última quarta-feira (24), durante o cumprimento de 16 mandados judiciais na região da Fazenda Santa Lúcia, a 60 quilômetros de Redenção, sudeste paraense, policiais teriam sido recebidos a tiros por um grupo que ocupava o local. Durante o confronto, nove homens e uma mulher foram mortos no local. A Secretaria de Segurança informou que dos 10 mortos, quatro estava com mandados de prisão decretados pela justiça. Após a ação, a polícia apreendeu 11 armas de grosso calibre, incluindo um fuzil 762 e uma pistola Glock modelo G25 que estavam com as vítimas. Ainda segundo a Secretaria, na última sexta-feira (19), o grupo teria sido responsável por atear fogo na fazenda e ameaçar os funcionários da mesma.
Versão contestada
Parentes das vítimas que morreram na última quarta-feira, em ação da polícia na fazenda do sudeste do Pará, contestaram ontem (25) a versão oficial de que houve confronto e troca de tiros no local. Segundo eles, a polícia chegou atirando nos trabalhadores.
“Três sobreviventes do local, que conseguiram escapar, contam essa mesma história: eles estavam acampados, debaixo de uma lona, quando a polícia chegou e já foi atirando em todo mundo, sem chance de defesa”, disse um homem que pediu para não ser identificado. A Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), por sua vez, informou que os policiais militares foram recebidos a tiros na fazenda Santa Lúcia.

Comentários do Facebook