Foto: Ze Dudu

Para a Polícia Civil, eles são oriundos do crime de concussão (Art. 316 – CP). Vítimas devem comparecer à delegacia para recuperar os documentos.
Diógenes Samaritano, que está preso acusado de matar a esposa Dayse Dyana no último fim de semana em Parauapebas, deve responder por mais um crime. É que a Polícia Civil encontrou cerca de trezentos documentos, entre eles Carteiras de Identidade, DUT’s e Certificados de Registro e licenciamento de Veículos na residência de Samaritano.
Segundo o delegado Gabriel, uma das vítimas de extorsão por parte de Samaritano registrou um Boletim de Ocorrências na Depol informando que o agente do Detran havia apreendido o documento do seu veículo prometendo devolver assim que este lhe repassasse uma quantia em dinheiro. Munido desse B. O.. a polícia solicitou aos familiares da vítima que autorizassem a entrada na casa para verificar se esse documento estava lá. “Foi quando nos assustamos com a quantidade de documentos em posse do suspeito. Fizemos o recolhimento desse material, que será catalogado e devolvido às vítimas que comparecerem à delegacia e registrarem uma denúncia contra Samaritano por extorsão. A Polícia Civil não quer saber se o documento apreendido está em dia ou não, esse papel é do Detran”, disse o delegado.
Samaritano passou por audiência de custódia na segunda-feria (01) e sua prisão foi mantida pelo juiz. Ele está preso na Carceragem do Bairro Rio Verde, em Parauapebas. A princípio, por ser funcionário público, Samaritano iria ficar preso no Quartel da PM até a audiência de custódia, mas o comandante não liberou a cela. Com a manutenção da prisão não restou outra alternativa senão a da carceragem do Rio Verde, onde se encontra à disposição da justiça.
Samaritano ainda não foi ouvido pelo presidente do inquérito, Dr. Gabriel Henrique Alves Costa. “Estamos levantando situações, ouviremos testemunhas, vizinhos, amigos do casal para só depois ouvir o suspeito”, disse o delegado.
Reportagem e foto: zedudu.com.br

Comentários do Facebook