O Pai de Lenilda ,Manuel Andrade, a mãe Ivone Cavalcante e o filho Victor Emanuel – Foto: Arquivo/família

Hoje está um dia muito triste e cheio de expectativas, estamos tentando fazer algo para ter coragem porque se a gente deitar, não vamos ter força para levantar em um dia pesado. Coração apertado, mas Deus está nos carregando nos braços. 7 dias aff“. O desabafo é de Maria das Graças Ramos Cavalcante, tia da paraense Lenilda Andrade (foto), funcionária da Vale, que está entre os desaparecidos em Brumadinho, Minas Gerais.
Os pais e a tia estão em Brumadinho desde o dia do acidente. Nesta quinta-feira, 31, a família está a caminho de Belo Horizonte para percorrer novamente hospitais e o IML da cidade. De acordo com Vitor, filho de Lenilda, pelo horário, a mãe estaria no refeitório da empresa. A última mensagem visualizada por ela foi às 11:40 (horário de Brasília).
Nesta quarta-feira, 30, o pai de Lenilda colheu material para exame de DNA. O número de vítimas aumenta na proporção que a esperança diminui. Bombeiros experientes relatam que há dificuldades devido ao mar de lama que tomou conta da região.
Os trabalhos de resgate começam diariamente, por volta das 4h, e vão até a noite. A barragem B6, com água, segue monitorada 24 horas, sem risco de rompimento. Um plano de contingência, entretanto, foi elaborado de forma preventiva.
Reportagem: Rodrigo Monteiro

Comentários do Facebook