Dentro da programação da campanha “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra a Mulher”, a Prefeitura de Parauapebas, por meio das secretarias municipais de Assistência Social (Semas) e da Mulher (Semmu), promoveu o seminário “Gênero, Direitos Humanos e Cidadania”. Foi no último dia 30 de novembro, no plenário da Câmara Municipal de Parauapebas.

Todos nós temos o mesmo sangue, ele é um só. Por que fazer diferenças se nós somos iguais? Esse evento é importante porque é preciso que todas as pessoas tenham consciência disso. Temos que lutar contra a violência, contra o racismo. Precisamos unir forças para combater esses males”, conclamou o secretário de Assistência Social, Jorge Guerreiro, em seu pronunciamento na abertura do evento.

Entre os presentes, a secretária da Mulher, Ângela Pereira, a diretora técnica e secretária adjunta, Suely Guilherme, a vereadora Eliene Soares, entre outras autoridades municipais. A cantora Raquel Sá deu tom inicial ao seminário, com a música “Sarará Criolo”, do compositor Osvaldo Costa.

Um dos pontos marcantes do evento foi a entrega simbólica dos certificados da oficina “Empoderamento – Mãos em Movimento” que, realizado nas unidades do Centro e Referência de Assistência Social (Cras), ensinou usuárias à fazerem reciclagem, transformando latas e garrafas em arte.

O evento contou com uma exposição no hall de entrada do plenário da Câmara dos trabalhos feitos durante a oficina. “Todas estão aqui não só para receber um certificado, mas para participar de um seminário que vai contribuir com o empoderamento. Precisamos compreender que nós, em nossa essência, somos mulheres. Ser mulher em um país que ainda é preconceituoso; ser mulher negra num país que ainda continua com a mesma mentalidade escravocrata é um desafio e esse desafio se faz presente todos os dias no nosso cotidiano. A luta continua!”, destacou Suely Guilherme, para ressaltar a importância do encontro e do trabalho realizado pela equipe da Semas.

O seminário contou com duas palestras. Na primeira, a antropóloga Dilma Lopes discorreu sobre “Equidade e Gêneros”; e a bacharel e licenciada em Ciências Sociais, Daniela Rosa, falou sobre “Gênero, Direitos Humanos e Cidadania: o Olhar Intersetorial Para a Construção da Equidade”.

Antes das palestras, a venezuelana Gina Betran, usuária do Cras Altamira, contou sobre a violência que sofreu e sobre a importância do trabalho do Cras na sua vida. “Quando cheguei no Cras me fizeram duas perguntas: qual o meu maior problema e o que eu estava fazendo para resolvê-lo?. A partir daí me vi de uma forma diferente e comecei a acreditar mais em mim e no meu potencial”.

PROGRAMAÇÃO: LAÇO BRANCO

Como parte da programação dos “16 dias de Ativismo”, na próxima quarta-feira, 6, haverá a Campanha do Laço Branco, com a finalidade de convencer os homens a abraçarem a causa pelo fim da violência contra as mulheres.
A campanha, organizada pela Semmu e Semas, estarão na Portaria de Carajás distribuindo laços e panfletos para os homens.


Texto: Antonio Fernandes | Semas – Fotos: Jhonathan Felipe | Semas – Assessoria de Comunicação – Ascom | PMP