Major Gledson está de volta à Parauapebas no comando do 23º Batalhāo de Polícia Militar – Foto: Deo Martins

Na manhā da última quinta-feira (10), o Major Gledson Melo dos Santos que foi nomeado no último dia 3 como o novo comandante do 23º Batalhão de Polícia Militar de Parauapebas, concedeu uma entrevista para o site Infopebas, e falou da satisfação em retornar a trabalhar na região onde o mesmo conhece a realidade.
O Comandante que já atuou por 14 anos no 23º Batalhāo de Polícia Militar de Parauapebas, destacou que vai focar o trabalho nos bairros com maior índice de criminalidade, mas nāo deixará o restante da cidade sem a atenção requerida. “Foram 14 anos nessa região e pude viver de perto a realidade da população. Hoje a cidade cresceu e requer uma atenção maior para os munícipes”.
Uma das ações que o Comandante Gledson vai por em prática logo de início, é a aplicação do PROERDPrograma Educacional de Resistência a Droga e Violência. O distrito de Serra Pelada, em Curionópolis, foi escolhido pelo Comandante, por ser uma região mais vulnerável ao tráfico de drogas, com menor índice de renda e instrução, por se tratar de uma comunidade mais afastada.

O Comandante Gledson terá o Major Emmett Alexandre como Sub-comandante em Parauapebas

O Comandante frisou que intensificará o trabalho com a ROCAMRonda Ostensiva Com Apoio de Motocicletas, aumentando as abordagens nas ruas de Parauapebas, inibindo os roubos de celulares e motocicletas, e alertou ainda, sobre a proximidade da polícia com a comunidade para que o trabalho seja melhor desenvolvido. “O nosso batalhão sempre estará de portas abertas à qualquer cidadão de bem que queira nos visitar”.
Questionado sobre a parceria entre a Polícia Militar e Polícia Civil, Gledson deixou claro que irá continuar, pois o delegado Gabriel, titular da 20ª Seccional de Polícia Civil de Parauapebas além de ser um amigo pessoal, já trabalhamos juntos em Sāo Félix do Xingu e vamos continuar o trabalho em Parauapebas.
O 23º Batalhāo de Polícia Militar de Parauapebas, contará ainda com o Major Emmett Alexandre, que também já trabalhou na regiāo.

Comentários do Facebook